Cuidados especiais com as crianças durante o tempo seco

Nos últimos três dias, São Paulo registrou números de umidade relativa do ar abaixo dos 20%, colocando a cidade em estado de atenção. O índice se assemelha aos números do Deserto do Saara. No Rio de Janeiro, algumas cidades chegaram a menos de 30%, número muito abaixo do normal para localidades perto do litoral. Neste cenário, a saúde de todos, principalmente a das crianças, pode ficar prejudicada.

De acordo com o otorrinolaringologista Olavo Mion, a umidade relativa do ar ideal seria de 80%. Ele explica que o corpo de um adulto consegue se adaptar sem dificuldades até os 40%. “Mas abaixo de 50% já é mais difícil para uma criança se adaptar”, diz. O pediatra e nefrologista Sylvio Renan, autor do livro “Seu Bebê em Perguntas e Respostas – Do Nascimento aos 12 meses” (MG Editores), afirma que as duas principais preocupações com a saúde da criança durante o tempo seco são relacionadas à hidratação e a possíveis problemas respiratórios.

“A pele também sofre bastante”, completa Renan, que também aponta para o intestino e os olhos como dois órgãos afetados pelo clima seco. “Com a falta de água, o organismo tende a aproveitar água do intestino, o que causa um ressecamento”, explica. Por isso, nunca é demais lembrar: “O importante mesmo é tomar muita água”, enfatiza o pneumologista infantil e professor de Especialidades Pediátricas da Unifesp, Gilberto Petty. Petty afirma que, no caso das crianças, além de oferecer água, os pais devem dar o exemplo e mostrar para elas que também se hidratam. Não espere a criança pedir: “Quando a pessoa sente a sede, ela já está desidratada”.

As mães que amamentam devem tomar um pouco mais de cuidado, avisam os especialistas. Como o bebê até seis meses não pode tomar água, toda a sua hidratação depende do leite materno. Assim, a mãe precisa tomar mais cuidado com a sua própria hidratação.

Para os ambientes, os especialistas indicam o uso de umidificadores, bem como toalhas molhadas nas extremidades de portas e janelas ou até mesmo de bacias com água nos ambientes a serem umidificados.

O que os especialistas indicam: 7 dicas para proteger as crianças do tempo seco

1. Beber muita água. Olavo Mion diz que, para as crianças, é bom que seja dado um copo pequeno de água a cada hora. Para mães que estão amamentando, Sylvio Renan diz que a indicação é a mesma.

2. Lavar o nariz com soro fisiológico. De acordo com os especialistas, esta é uma prática que se mostrou bastante eficaz para hidratar as vias nasais. “Pode usar umas seis vezes por dia, no mínimo”, explica Sylvio Renan. “Quanto menor a criança, maior a obstrução dos canais nasais, por isso, maior a preocupação”, completa.

3. Usar colírio ou soro fisiológico nos olhos com frequência. Apesar das crianças não sofrerem tanto com os olhos secos, a poluição pode prejudicá-los. Use colírio ou soro fisiológico para limpá-los.

4. Passar hidratantes apropriados na pele. A pele das crianças também resseca durante o tempo seco, por isso os especialistas aprovam o uso de hidratantes especiais, principalmente nas extremidades – como cotovelos e joelhos – que tendem a ficar mais secas.

5. Evitar passeios e esportes ao ar livre. Apesar do sol fazer bem para os bebês, Olavo Mion explica que este tempo não é indicado para levá-los para fora de casa. “Quando a umidade fica abaixo de 30%, é melhor manter as crianças em ambientes com a umidade controlada”, diz.

6. Manter os ambientes umidificados e evitar o uso de ar condicionado. Os especialistas explicam que atitudes simples, como deixar uma bacia com água no quarto da criança ou colocar toalhas molhadas nas extremidades de janelas e portas, faz diferença na umidificação do ambiente.

Leia também
Como proteger a saúde do ar seco
7. Limpar e desligar os umidificadores na hora certa. Os umidificadores são bastante eficazes, mas não podem ficar ligados a noite inteira. “Se o ar está úmido demais, pode criar bolor na parede”, explica Gilberto Petty. Além disso, é de extrema importância que o aparelho seja limpo com cloro pois tende a criar fungos e bolores, algo que também faz mal para as vias respiratórias da criança, avisa Sylvio Renan.

Camila de Lira, iG São Paulo

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: