SE ESSA ESCOLA FOSSE MINHA…

O objetivo central deste texto é apresentar os resultados obtidos na pesquisa que culminou na dissertação de mestrado Se essa escola fosse minha… Organização da Educação Infantil e o grupo de crianças em contexto escolar, defendida no programa de Educação, História, Política, Sociedade, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUC-SP, no ano de 2009; teve por objetivo investigar as ações e relações entre crianças na educação infantil, buscando compreender como elas lidam com os padrões promovidos pela escola e as maneiras a partir das quais ocorrem as interações entre elas. Como no presente estudo as crianças tem importância central, tal escolha gerou a necessidade da busca de estudos que auxiliassem na reflexão sobre a infância e a definição da criança como ator social; daí a aproximação e integração ao grupo de pesquisa “Sociologia da Infância e Educação Infantil”. Para uma educação que atenda as especificidades da infância faz-se necessário o reconhecimento das crianças como atores sociais. Portanto, minhas indagações recaíram sobre o desenvolvimento do trabalho com crianças pequenas na escola pública a fim de entender quais os espaços de interação entre elas. Assim, este estudo buscou contribuir para o reconhecimento das crianças como atores sociais, em defesa ao direito legítimo à Educação Infantil pública que respeite as especificidades da infância. No que tange aos aspectos metodológicos, escolheu- se como proposta de investigação a observação em salas de aula de Educação Infantil numa escola da rede Municipal de Educação da cidade de São Paulo. Acredita-se que a observação das relações estabelecidas no grupo de crianças – brincadeiras, conversas, comentários e expressões durante as atividades escolares – permitiram coletar elementos que ajudaram na compreensão de como se dão as relações entre as crianças em âmbito escolar e do contexto social ao qual pertencem. Foram realizadas 48 horas de observação em cada uma das turmas pesquisadas, totalizando 96 horas. O referencial teórico teve como base estudos originários da sociologia da infância, que partem da premissa de que as crianças são sujeitos ativos da sociedade e não apenas reprodutoras da cultura e do mundo adulto, como Sarmento (2007), Corsaro (1997) e Ferreira (2004) e da sociologia da educação, como Michael Apple (1999) e Gimeno Sacristán (1999); Os estudos de Narodowski (1993), Infância e Poder e de Gimeno Sacristán (2005), O aluno como Invenção, auxiliaram na compreensão dos processos de institucionalização da infância e das relações de poder que permeiam a história da escolarização moderna. Foi possível coletar dados representativos, por mostrarem como as crianças encontram brechas na estrutura para brincar, conversar e se divertir. Assim, apesar da escola, as crianças, por meio de suas ações sociais com seus pares criam um contexto paralelo, ou seja, atribuem outros sentidos aos materiais e às propostas das professoras.

Renata Provetti Weffort Almeida
PUC-SP

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Claudio Malagoli  On 27/10/2010 at 22:42

    Muito interessante este texto que mostra uma rara preocupação onde está justamente o “berço” da formação de nossos futuros cidadãos. Parabéns Renata!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: